O Autor

“Soteropaulistano”, nascido em Salvador e radicado em São Paulo desde 1989. Graduado em Comunicação Social pela FAAP e em Filosofia pela PUC-SP. Pesquisador acadêmico em Filosofia, tradutor e consultor de idiomas, monitor de ensino à distância e musicófilo, entre outras atividades e outros ócios.

Amante da Música desde o ventre materno, quando, grávida, dona Neuza sentiu chutes na barriga durante um show do Ney Matogrosso.

Ex-baterista, eterno batucador. Tem não só o ouvido, como a alma, o corpo, a coisa toda musical. Dança mesmo parado, ou triste. Apenas um diletante, um amador, mas faz suas as palavras de Einstein: “vejo toda minha vida em termos de música.”

Ou de ruído. Ou de silêncio. De onde as 3 modalidades do ser (ou não-ser) musical: melodia e ritmo; ruído e cacofonia; silêncio. A priori, absolutamente nenhuma distinção de valor e importância entre essas três formas de ser, muito pelo contrário: todas elas necessárias, inevitáveis e complementares entre si, indissociáveis no fundo, e igualmente bem-vindas.

Concordo com Nietzsche que “a vida sem música seria um erro”, e diria mais: seria impraticável, sem esse sabor do sabor da vida de que fala um antigo texto oriental. Minha cumplicidade com este (e outros) filósofo(s) passa necessariamente pela Música, pela importância e significação que ela tem na(s) sua(s) existência(s) e na(s) suas obra(s).

Este blogue é um espaço de garimpo, coleção, crítica e fruição estética da Arte Suprema. Música para escutar, para pensar, para viver e morrer. Música para dançar ou para deitar. Para agradar ou inquietar. Para alegrar ou deixar triste.

O BLOG

Durante muito tempo pensei em colocar esta ideia na prática, mas não saía do papel porque (depois me dei conta de que) eu simplesmente me contentava em escutar Música (e refletir a escuta) em vez de escrever sobre ela.

DELÌRIVM CÒRDIA é uma homenagem: o título de um dos álbuns do quarteto norte-americano Fantômas, banda liderada por Mike Patton (que é, aliás, graças aos seus diversos grupos e projetos musicais, uma inspiração essencial deste blogue e para sempre uma estrela-guia do meu itinerário musical). O autor e editor deste blog não detém nenhum direito autoral sobre este nome, nem sobre as obras aqui compartilhadas a título de homenagem.