Ney Matogrosso: o Corpo Musical, Metáfora da Alma

Ney Matogrosso na manhã de domingo: estremecimentos angelicais, turbulentas sensações, palpitações, comoção exterior ao universo.
“Pedra de rio”: pensa numa música supremamente triste, linda de morrer… Experiência indescritível a cada vez que a ela retorno. Música arquetípica, heraclítica, fundadora como o Mito. Nela, coincidimos com as origens e os fins. Ney Matogrosso, metáfora da alma.
Na Música, tudo é alma! A matéria mesmo se torna “alucinação sonora”… (Cioran).
A música de Ney é uma dessas que me faz espantar com minhas próprias sensações, estranhar o outro em mim. É demais para mim: uma música assim deveria ser proibida dos registros do Tempo como um crime hediondo e inaudito, um pecado tão grave como a Criação! E me pergunto se a “alma” não é uma invenção de músico, uma composição musical….

Os comentários estão encerrados.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: